Inicio Artes plásticas “Me apaixonei pelas artes assistindo cartoon na televisão” disse o artista plástico...

“Me apaixonei pelas artes assistindo cartoon na televisão” disse o artista plástico recém-participante de MFW

“Quando um turista vem para Moçambique, a primeira coisa que quer saber é sobre a nossa cultura e nossos hábitos e costumes… eu nunca vou responder que a minha cultura é trabalhar num banco.”

Aos 4 anos de idade, Alberto Correia, o então Adecoal, já tinha sensibilidade pelas cores, na altura vivia no Alto-maé. A curiosidade pelos pinceis e vontade de aprender a escrever veio aos cinco anos depois de se mudar para o bairro de ferroviário.

Os pais e familiares ao perceberem que Alberto tinha inclinação para as artes, compraram-lhe materiais de desenho e apoiaram-lhe em todas as fases do seu aprendizado. Fez o ensino geral e pelo espirito artístico que carregava dentro de si, entrou para o ISARC ainda com o apoio da família.

Terminado a licenciatura em Designer, apostou em artes plásticas como profissão. Passou a criar quadros com pinturas surrealistas e costumizar roupas através de designer de moda. Embora o seu enfoque na formação seja designer gráfico e de produtos, Alberto aprendeu a ilustração para maximizar o seu talento. Hoje, é professor de artes plásticas em duas escolas privadas e faz trabalhos por encomenda para clientes.

Alberto se considera um artista versátil pelas multitarefas que executa. Desde o artesanato as telas, é para ele, um ganho inspirado pelo Claudino Braga. O seu sonho é mudar a mente dos moçambicanos e mostra-los que “Arte é trabalho”.

Depois da sua primeira participação em 2017 no Mozambique Fashion Week, onde fez lançamento internacional da sua marca “Adecoalwear“, o reconhecimento pelo seu talento triplicou e vários artistas ou cidadãos em geral passaram a convidar-lhe para mais trabalhos. Depois desta experiência, acredita que só com trabalho é que ensinamos o outro a valorizar o que detemos.

Desafiado pela caracultura a fazer uma breve avaliação das artes em Moçambique, primeiro lamentou o facto da arte não ser levada como cultura, de seguida, tocou no ponto da desvalorização das artes: “Artistas são  considerados desocupados e a arte não é tomada como profissão”.

“Dói-me ouvir pessoas a pensarem que o artista é aquele que não sabe o que faz, é um perdido na sociedade ou então um marginal. Mas no final das contas, todos querem um bom quadro para enfeitar a sua sala, querem ouvir música, querem que aquele jardineiro que é um Zé-ninguém na sociedade deixe o seu jardim bonito. Como vamos desenvolver se não somos valorizados? Dizem que um bom emprego é ser professor, banqueiro ou pedreiro. Penso que precisamos mudar a nossa forma de pensar, precisamos de uma sociedade dinâmica.” Alberto Correia

Subscreva-se e acompanhe todas notícias sobre cultura National

Coloque o seu e-mail abaixo para receber as últimas actualizações e promoções do nosso website.

Mais Lida

Mbeu Numa Absurda Espera Pelo Godot

Quando por detrás de uma cortina tem barrigas que sentem um friozinho, e a frente da cortina temos ansiedade dos que se sentam nas...

FILME NKWAMA DE GIGLIOLA NO FESTIVAL CENA

Filme NKWAMA, de Gigliola Zacara fará parte da programação do CENA - Festival de Filmes Dirigidos por Mulheres, em Cabo Verde. No âmbito do mês...

Mbuta, Dança Tradicional Misteriosa Desaparecida

Desde os tempos mais idos dos nossos ancestrais que a dança era praticada nas zonas rurais da província de Inhambane. Só mulheres, anciâs e...

Vozes da Representação, Memórias do Teatro Moçambicano, Volume I

Benites Lucas José gosta e ama a arte de representar. Mas notou ausência de formas de memórias sobre seus fazedores, sobretudo na forma literária....

Related News

Mbeu Numa Absurda Espera Pelo Godot

Quando por detrás de uma cortina tem barrigas que sentem um friozinho, e a frente da cortina temos ansiedade dos que se sentam nas...

FILME NKWAMA DE GIGLIOLA NO FESTIVAL CENA

Filme NKWAMA, de Gigliola Zacara fará parte da programação do CENA - Festival de Filmes Dirigidos por Mulheres, em Cabo Verde. No âmbito do mês...

Mbuta, Dança Tradicional Misteriosa Desaparecida

Desde os tempos mais idos dos nossos ancestrais que a dança era praticada nas zonas rurais da província de Inhambane. Só mulheres, anciâs e...

Vozes da Representação, Memórias do Teatro Moçambicano, Volume I

Benites Lucas José gosta e ama a arte de representar. Mas notou ausência de formas de memórias sobre seus fazedores, sobretudo na forma literária....

Resgate, Um Filme Para Ver e Rever!

O filme emerge a partir de duas linhas narrativas. A primeira é a que segue as peripécias de um jovem caminhando por picadas e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here